NEP

NÚCLEO DE ESTUDOS DA PAISAGEM (NEP)
docente responsável: Euler Sandeville Jr.

por um conhecimento livre e sensível, por um mundo livre e em paz

aprender com a cidade, aprender na cidade

O Núcleo de Estudos da Paisagem (NEP) foi criado em 2003 pelo Professor Euler Sandeville a partir dos princípios da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento (2002) e da proposição de compreensão da paisagem não apenas como visualidade, mas construção social e partilha de experiências. Tem como objeto fundamental estudos da cidade, da natureza e da cultura. É pensado na perspectiva de um esforço colaborativo e interdisciplinar de trabalho (pesquisa, ação, reflexão, aprendizagem).

São duas as linhas de pesquisa do NEP:

1. História da Cultura e da Paisagem: Representações e Poéticas

2. Processos Colaborativos e Ações Educativas

Parte-se da problematização da paisagem como experiências partilhadas e da proposição poética da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento. As paisagens que nos ocupam são entendidas como um campo de tensões e contradições, mas também de possibilidades, evidenciando o drama e os anseios do trabalho e dos desejos humanos que essas paisagens abrigam em sua construção histórica, ecológica e cultural. Coloca-se assim em questão a problematização da cultura contemporânea; a construção histórica de formas anteriores de representação do mundo e da vida e suas conexões com a construção do espaço, as implicações sociais contraditórias e as potencialidades de nossas paisagens que se abrem com estudos colaborativos e participantes.

Tal entendimento é base para:

a) Estudos de História da Cultura. Estes estão expressos na linha de pesquisa docente História da Cultura e da Paisagem (Arte, Natureza e Cidade) e pesquisas a ela vinculadas, desenvolvendo estudos de história cultural da natureza, da paisagem, da cidade e dos saberes e processos criativos do projeto do espaço, com foco nos campos da representação e do imaginário, da construção e transformação de significados, valores e comportamentos. Os estudos se dão através de ensaios sobre as representações em documentos diversos em sua construção histórica: narrativas, memórias, relatórios, artes plásticas, música, cinema, literatura, ciências e nas configurações do espaço natural e habitado em sua transformação, inserindo mutuamente cultura e espaço (paisagem). São em sua maioria estudos de acadêmicos em fontes primárias e secundárias, mas podem incluir quando possível narrativas de vida e outras formas de contribuição da memória vivida ou das narrativas familiares e tradicionais.

b) Estudos de paisagens em suas dinâmicas naturais e urbanas e das especificidades culturais e arranjos ou apropriações espaciais referentes a determinadas comunidades ou grupos sociais, sobretudo em condições de exclusão. O que caracteriza o trabalho é a conexão essencial entre pesquisa e aprendizagem partilhada e colaborativa entre os pesquisadores e na construção de conhecimento com comunidades e escolas públicas, superando a separação entre Ensino, Pesquisa e Extensão no processo acadêmico de construção de conhecimento. É inevitável a interface, eventualmente propositiva, com instâncias da gestão e das políticas públicas a partir da apreensão crítica das percepções, valorações, modos próprios de construir e significar paisagens das comunidades envolvidas e do conhecimento acadêmico sobre a natureza e a cidade. Nesse sentido, coloca-se o desafio de não cair nem na sua idealização pela supressão de suas contradições e disputas internas, nem (desafio ainda maior) negar a outros sujeitos que lhes são (ou também nos são) antagônicos, as próprias razões, sem com isso nos eximirmos de um necessário posicionamento ético e crítico. Trata-se de um esforço interpretativo desvendado na experiência do real e no convívio, que ainda assim precisa ser qualificado, e que se direciona a uma capacidade de transformação fundada em princípios solidários e colaborativos.

Procuramos estudar e aprender em ação com outros parceiros os modos de produção e apropriação do espaço, através de práticas colaborativas, participantes e de gestão partilhada, bem como de estudos da história da cultura, focando nas realidades locais e relacionando-as nos sistemas ambientais e na estrutura urbana. Estabelecemos assim múltiplas camadas temporais e escalas espaciais que nos desafiam no processo de percepção e conhecimento.

O grupo de pesquisa reúne uma ampla diversidade de pesquisadores de diversas áreas de formação que atuam colaborativamente em um programa integrado de trabalho, incluindo bolsistas de pré-iniciação científica, bolsistas de iniciação científica, de mestrado, de doutorado e de pós-doutorado, além de pesquisadores populares e outros colaboradores. As pesquisas integram-se em grupos de estudos que organizamos buscando articular a compreensão local em uma compreensão de conjunto do setor urbano e de vetores e processos mais amplos que o impactam, ou mesmo em estudos temáticos de natureza histórica sobre as representações sociais e construção de saberes sobre a paisagem. As abordagens estabelecem uma articulação entre as pesquisas, disciplinas de graduação e pós-graduação e outras atividades colaborativas ou de formação.

Essas duas linhas de trabalho são desenvolvidas de modo relacionado e interdisciplinar, ambas definindo a filosofia, proposta e atividades do NEP. Contribuem para um debate ativo da cultura contemporânea entendida em seu sentido histórico, para o conhecimento dos meios sociais de produção das paisagens e suas formas de valoração, apropriação e gestão, correlacionando-as com as permanências, mudanças comportamentais, visões de mundo. Visa gerar ações colaborativas de construção de conhecimentos com escolas, coletivos, grupos de ação social, instituições públicas.

Os trabalhos são desenvolvidos com pesquisadores de graduação a pós-graduação e colaboradores externos. Foi a origem do Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade (LABCIDADE, FAU USP) que esteve sob minha coordenação entre 2005, data de sua criação e 2010, e entre 2010 e 2015 sob coordenação minha conjuntamente com Raquel Rolnik. O LabCidade ficou nesse período organizado em dois núcleos sob nossa respectiva coordenação: O Núcleo de Estudos da Paisagem e o Núcleo Direito à Cidade. A partir de 2015 me desliguei do LabCidade para pensar na construção de um novo programa a partir da experiência até então realizada. A partir de 2015 o projeto passa então por uma reformulação, o que aliás sempre o caracterizou.

De natureza fortemente experimental, crítica e colaborativa, os trabalhos, iniciados em 2002, a partir do quarto final de 2017 começaram a entrar em uma quarta fase, com as primeiras experimentações e parcerias sendo construídas em 2018 a par da construção em processo da proposta, como caracteriza o Núcleo de Estudos da Paisagem. O novo programa pretende estar voltado prioritariamente, que é por onde de fato estamos procurando começar, para ações colaborativas em parceria com escolas públicas, desenvolvendo processos e programas sensíveis de interpretação da paisagem natural e urbana e formação de professores em torno dessas questões.

as datas entre parênteses abaixo indicam o ano em que foi concebido, escrito ou revisado o texto, não necessariamente a data de sua primeira publicação

OBJETIVOS (2018)

PRINCÍPIOS (2002)

DIRETRIZES / VALORES (2018/2008)

LEITURAS INDICADAS PARA FUNDAMENTAR E DEBATER A CONCEPÇÃO GERAL DOS TRABALHOS DE APRENDIZAGEM COLABORATIVA E AÇÃO (2018)

**UM LONGO PERCURSO** (2018)

QUERO PARTICIPAR

GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A NATUREZA (2017)

UNIVERSIDADE LIVRE E COLABORATIVA (2018)

INTERVENÇÃO NO PLANO DIRETOR DE SÃO PAULO E TERRITÓRIOS DE INTERESSE DA CULTURA E DA PAISAGEM (em breve disponível)

PROJETO PAISAGEM DO HELIÓPOLIS (2009)

PROJETO À MARGEM DO CINEMA: VIDAS IMAGINADAS NA BRASILÂNDIA (2010)

PROJETO PEDRA GRANDE

PROJETO ARICANDUVA

PROJETO PIRAJUSSARA

PAISAGENS COLECIONADAS: ACERVO MÁRIO DE ANDRADE (IEB)

xxx

ÁREAS DE TRABALHO (2003-2015)

EQUIPE

 

para citar este artigo:


SANDEVILLE JR., Euler. “Núcleo de Estudos da Paisagem (NEP)”. Núcleo de Estudos da Paisagem, on line, 2017. Disponível em https://nucleodeestudosdapaisagem.wordpress.com/nep-fases-1-a-3/ acesso em XX/XX/201X.

[para citar este artigo conforme normas acadêmicas, copie e cole a referência acima (atualize dia, mês, ano da visita ao sítio)]


núcleo de estudos da paisagem
a natureza e o tempo (o mundo)
uma proposta de euler sandeville

 

Licença de Uso 

Entre em contado conosco 

modelo de como citar outro material deste sítio 

 

REFERÊNCIAS DA PÁGINA

Figura destacada no topo nesta página: Atividade didática colaborativa, oficina com crianças dos CCCAs do Heliópolis. A disciplina do curso de graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP foi organizada em 2009 conjuntamente com moradores do Heliópolis, onde foi ministrada, aberta também á participação da comunidade e de artistas interessados. Organizada e implementada colaborativamente, o processo pode ser acompanhado no sítio Paisagem do Heliópolis .

Título: Núcleo de Estudos da Paisagem (NEP, fases 1 a 3, 2003-2015).
Title: Center of Landscape Studies (NEP, 2003-2015)

Autor/Author: Euler Sandeville Jr.
Web designer: Euler Sandeville Júnior

Palavra-chave: Núcleo de Estudos da Paisagem, Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Processos colaborativos
Keyword: Center of Landscape Studies, University of São Paulo, Faculty of Architecture and Urbanism, Collaborative Processes

Resumo: A página de abertura apresenta os linques para a conceituação e atividades do Núcleo de Estudos da Paisagem (NEP) entre 2003 e 2015. O NEP foi criado em 2003 a partir dos princípios da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento (2002) e da proposição de estudos da paisagem como experiências partilhadas e produção social.

Abstract: This page presents the lines for the conception and activities of the Center for Landscape Studies (NEP) between 2003 and 2015. The NEP was created in 2003 based on the principles of the Spiral of the Sensitivity and Knowledge  (2002) and the proposal of landscape studies such as shared experiences and social production.

 

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

%d blogueiros gostam disto: