ESPIRAL

A ESPIRAL DA SENSIBILIDADE E DO CONHECIMENTO (PONTO DE PARTIDA)
Euler Sandeville Jr.

Nesta página, após o resumo abaixo, você encontrará o sumário de páginas disponíveis nesta seção.

Figura destacada no topo nesta página: Representação gráfica da proposição da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento, 2002, Euler Sandeville Jr.

 

Uma espiral é um movimento harmônico e imprevisível, tridimensional, que pode se expandir em todas as direções, e por isso mesmo não isento de contradições. É uma forma vaga e variada, que inspirou aquela ideia que temos da espiral como um desenvolvimento numa equação matemática e numa proporção áurea. Sua forma, entretanto, não precisa ser de uma geometria perfeita, pois essa ideia de perfeição seria uma abstração. Imaginemos uma espiral que pudesse se desdobrar em vários pontos e planos, livre da linearidade bidimensional do papel que faz parecer natural tudo ser plano. Imaginemos também que tocasse outras espirais, e a cada ponto surgissem ondas animando os mundos, como se várias pedras fossem atiradas quase simultaneamente na superfície de um lago.

Assim, o desdobramento da espiral, entre uma função matemática e um desenho aleatório, entre o expandir-se ao infinito de suas possibilidades e o convergir a um centro – no limite a um infinito interno que tende a um ponto de geração, põe em contato diversas visões de mundo. Visões de mundo que se agrupam e se dissolvem, como as imagens breves em um espelho d’água convidando o olhar ao repouso e ao movimento, à percepção de um ponto gerador que transborda. Essas imagens são segredos, que nos convidam de um modo ora suave ora intenso, aos lugares que as geraram e aos lugares para onde transbordam.

Euler Sandeville Jr, Memorial Espiral, 2003

A Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento é um projeto poético, não-disciplinar, elaborado a partir de 2002. O conhecimento e o aprendizado são entendidos como uma construção partilhada de saberes e práticas. O projeto decorre de um longo caminhar em aprendizagem, permitindo propor o conhecimento como tendo uma potencialidade poética a par de cognitiva, e perceber a vida como ação estética e afetiva, compromisso social e aprendizado existencial com o outro. Estética. Ética. Linguagem.

A Espiral é colaborativamente mover nossos conhecimentos sobre as dinâmicas históricas, ecológicas, urbanas e socioculturais, ao lado de potencialidades afetivas e poéticas, reconstruindo-os conjuntamente com alunos e outros parceiros que venham a integrar esses projetos a partir de processos experimentais, sensíveis e cognitivos de entendimento e transformação. Para tanto, são desenvolvidos em grupos de estudo, de pesquisa e de aprendizagem em ação:

. estudos sobre os processos e dinâmicas das paisagens e suas formas de apropriação social e pessoal

. estudos de natureza histórica focando nas representações da natureza e da cidade

. vivências pessoais

. projetos acadêmicos e artísticos em processos colaborativos

Uma série de transformações, no campo do amadurecimento pessoal e no contexto social que vivemos, coloca para mim a necessidade de redefinir a proposição da Espiral, iniciando uma terceira ou quarta fase da proposta. O que ela guardará e inovará em relação às fases anteriores ainda me é difícil perceber. Um contexto extremamente polarizado em torno dos principais temas nacionais e humanos, o desgaste político dos espaços de debate e a intransigência crescente entre os grupos sociais em tensão, coloca neste momento todos os campos essenciais à flor da pele, dificultando a construção de diálogos.

Como registro, transcrevo abaixo formulações anteriores da proposta, enquanto medito na elaboração da nova síntese que seja significativa para a fase atual de minhas indagações e perspectivas de atuação. Uma coisa é certa, a ideia da Espiral, especialmente a partir de sua formulação inicial em 2002/2003, ainda continua operativa no âmbito do novo projeto A Natureza e o Tempo e do Núcleo de Estudos da Paisagem.

conteúdo disponível:

Manifesto Espiral 2003 (abre nesta janela)

Manifesto Espiral 2008 (abre nesta janela)

4555576869717274778996010812 Euler Sandeville Jr. Código de Barras da Cultura (2007)

Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento: uma proposta poética de ação (2011) (abre nesta janela)

Espiral 2018: pensei inicialmente em escrever um novo manifesto, mas verifiquei que os memoriais antigos, acima indicados, mantêm o interesse para a proposta atual. Claro, há algumas modificações importantes, como se nota entre 2003 (a concepção é de 2002) e 2008, o que dizer decorridos uma década e meia ou uma década (em 2018) daquelas concepções iniciais. No entanto, permanecem válidos, talvez apenas alguns aspectos precisassem ser atualizados no texto, algum arrojo foi repensado, algumas radicalidades revistas, mas o interessante é que as questões essenciais que estavam presentes nos textos originais ainda permanecem. De modo que, por hora, não elaborarei um novo “manifesto” para a Espiral. Talvez questões de ordem íntima merecessem ser colocadas, mas estas podem ser conversadas no convívio. Uma outra observação, é que a o trabalho em A Natureza e o Tempo (o Mundo) de certa forma complementa o que seria necessário. Mais importante agora é engendrar a partir de 2018 a nova etapa do Núcleo de Estudos da Paisagem. Penso que o material da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento, a conceituação de Paisagem como Experiência Partilhada e Construção Social, e A Natureza e o Tempo (o Mundo) acessíveis pelo menu no cabeçalho, sejam suficientes para colocar, sem pretender uma definição, os fundamentos intelectuais e sensíveis a que estou me dedicando.

 

 

bibliografia citada

SANDEVILLE JR., Euler. “Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento. Memorial 2003”. Núcleo de Estudos da Paisagem, on line, São Paulo, 2003. Disponível em https://nucleodeestudosdapaisagem.wordpress.com/espiral-da-sensibilidade-e-do-conhecimento/  com acesso em 17/12/2017 .

 

como citar:


SANDEVILLE JR., Euler. “A Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento (Ponto de Partida)”. Núcleo de Estudos da Paisagem, on line, São Paulo, 2017. Disponível em https://nucleodeestudosdapaisagem.wordpress.com/espiral-da-sensibilidade-e-do-conhecimento/ acesso em DIA/MÊS/ANO.

[para citar este artigo conforme normas acadêmicas, copie e cole a referência acima (atualize dia, mês, ano da visita ao sítio)]


núcleo de estudos da paisagem
a natureza e o tempo (o mundo)
uma proposta de euler sandeville

 

 

Licença de Uso 

Entre em contado conosco 

modelo de como citar outro material deste sítio 

 

REFERÊNCIAS DA PÁGINA

Figura destacada no topo nesta página: Figura destacada no topo nesta página: Representação gráfica da proposição da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento, 2002, Euler Sandeville Jr.

Bibliografia citada

SANDEVILLE JR., Euler. “Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento. Memorial 2003”. Núcleo de Estudos da Paisagem, on line, São Paulo, 2003. Disponível em https://nucleodeestudosdapaisagem.wordpress.com/espiral-da-sensibilidade-e-do-conhecimento/ com acesso em XX/XX/201X.

Título: A Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento (Ponto de Partida).
TitleThe Spiral of Sensibilidade and Knowledge (Starting Point)

Autor/Author: Euler Sandeville Jr.
Web designer: Euler Sandeville Júnior

Palavra-chave: Sensibilidade e Conhecimento
Keyword: Sensitivity and Knowledge

Resumo: Página de abertura da seção da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento, com link para os manifestos desde 2003. A Espiral é um projeto livre de conhecimento sensível, ético e de ação solidária que inspirou a criação do Núcleo de Estudos da Paisagem.

Abstract: Opening page of the Sensitivity and Knowledge Spiral section, with link to manifestos since 2003. Espiral is a free project of sensitive knowledge, ethics and solidarity action that inspired the creation of the Center for Landscape Studies.