ESPIRAL

A ESPIRAL DA SENSIBILIDADE E DO CONHECIMENTO (PONTO DE PARTIDA)
Euler Sandeville Jr.

Nesta página, após o resumo abaixo, você encontrará o sumário de páginas disponíveis nesta seção.

Figura destacada no topo nesta página: Representação gráfica da proposição da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento, 2002, Euler Sandeville Jr.

 

Uma espiral é um movimento harmônico e imprevisível, tridimensional, que pode se expandir em todas as direções, e por isso mesmo não isento de contradições. É uma forma vaga e variada, que inspirou aquela ideia que temos da espiral como um desenvolvimento numa equação matemática e numa proporção áurea. Sua forma, entretanto, não precisa ser de uma geometria perfeita, pois essa ideia de perfeição seria uma abstração. Imaginemos uma espiral que pudesse se desdobrar em vários pontos e planos, livre da linearidade bidimensional do papel que faz parecer natural tudo ser plano. Imaginemos também que tocasse outras espirais, e a cada ponto surgissem ondas animando os mundos, como se várias pedras fossem atiradas quase simultaneamente na superfície de um lago.

Assim, o desdobramento da espiral, entre uma função matemática e um desenho aleatório, entre o expandir-se ao infinito de suas possibilidades e o convergir a um centro – no limite a um infinito interno que tende a um ponto de geração, põe em contato diversas visões de mundo. Visões de mundo que se agrupam e se dissolvem, como as imagens breves em um espelho d’água convidando o olhar ao repouso e ao movimento, à percepção de um ponto gerador que transborda. Essas imagens são segredos, que nos convidam de um modo ora suave ora intenso, aos lugares que as geraram e aos lugares para onde transbordam.

Euler Sandeville Jr, Memorial Espiral, 2003

A Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento é um projeto poético, não-disciplinar, elaborado a partir de 2002. O conhecimento e o aprendizado são entendidos como uma construção partilhada de saberes e práticas. O projeto decorre de um longo caminhar em aprendizagem, permitindo propor o conhecimento como tendo uma potencialidade poética a par de cognitiva, e perceber a vida como ação estética e afetiva, compromisso social e aprendizado existencial com o outro. Estética. Ética. Linguagem. Continuar lendo

4555576869717274778996010812, o código da cultura

4555576869717274778996010812
código de barras da cultura
Euler Sandeville Jr. (2007)

 

Os eventos destacados para compor o código, e que devem expressar vários dos aspetos que se deseja indagar, estão listados abaixo. Os eventos da história nacional brasileira não foram incluídos na constituição desse código, em um primeiro momento… Foi um projeto iniciado em 2007, incorporado agora no projeto A Natureza e o tempo (o Mundo), em cujo blog este material será desenvolvido.

Figura 1  (acima). Eventos indicados no código, discriminados a seguir. Organização Euler Sandeville, 2007.

Continuar lendo

espiral da sensibilidade e do conhecimento: uma proposta poética de ação (2011)

ESPIRAL DA SENSIBILIDADE E DO CONHECIMENTO: UMA PROPOSTA POÉTICA DE AÇÃO

Euler Sandeville Jr. (2011, pequena revisão em 2017)

 

Ilustração 1: Itatiaia, 2006. Errâncias urbanas e naturais, processos de criação artística e expressão espontânea, experiências nos limites da consciência e da paixão. Foto Euler Sandeville Jr.

Continuar lendo

Manifesto Espiral 2008

MANIFESTO ESPIRAL
versão 2.5 (2003/2008 jan-dez)
Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento
Euler Sandeville Junior

 

Espiral: da Sensibilidade, Conhecimento, Liberdade  é uma condição, uma esperança, um desafio íntimo e uma forma de propor a ação. É a necessidade de uma construção poética e significante na relação com o ambiente e os outros, possível apenas em ação.

 

o sentido da espiral indaga a alma no espaço virtualmente coletivo

Continuar lendo

Manifesto Espiral 2003

ESPIRAL DA SENSIBILIDADE E DO CONHECIMENTO
MEMORIAL 2003
Euler Sandeville Jr.

 

o sentido da espiral indaga a alma no espaço virtualmente coletivo

 

Rio Tiburtino, em Mucugê, BA. Que significados nos traz a paisagem refletida na água em um trecho tão sereno do rio, logo antes de algumas quedas? Quais os sentidos da água na paisagem? Quais os sentidos da paisagem para nós? E a pergunta que nos deve ensinar as outras: quais os nossos sentidos na paisagem?

Figura 1. Rio Tiburtino, em Mucugê, BA. Foto Euler Sandeville, jan. 1999.

 

o sentido da espiral indaga a alma no espaço virtualmente coletivo

Continuar lendo

%d blogueiros gostam disto: