Projeto NEP-FAU/USP e CIEJA/PERUS I: CONSTRUÇÃO DO TERRITÓRIO, TERRITÓRIO VIVIDO

CONSTRUÇÃO DO TERRITÓRIO, TERRITÓRIO VIVIDO
Projeto NEP-FAU/USP e CIEJA/PERUS I

Objetivos e Motivação:

“Construção do Território, Território Vivido” é um programa colaborativo do Núcleo de Estudos da Paisagem (NEP–FAU/USP) e do Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) Perus I, visando uma construção coletiva entre universidade, escola e moradores para potencializar a capacidade interpretativa dos processos urbanos e ambientais. Nesse sentido, esses são os objetivos:

  • Desenvolver a capacidade de repensar a cidade de maneira coletiva;
  • Construir um currículo significativo para a Educação de Jovens e Adultos;
  • Dialogar com os imigrantes haitianos sobre suas condições de vida atualmente no bairro de Perus;
  • Contribuir para compreender os processos e dinâmicas das paisagens e suas formas de apropriação social e pessoal;
  • Colaborar para a fundamentação de atividades e ações pedagógicas tendo a cidade como território educativo.

Festa de Formatura do CIEJA em 2017-12-16, evidenciando o impacto da Instituição.

Procedimentos em curso: Continuar lendo

ESPIRAL

A ESPIRAL DA SENSIBILIDADE E DO CONHECIMENTO (PONTO DE PARTIDA)
Euler Sandeville Jr.

Nesta página, após o resumo abaixo, você encontrará o sumário de páginas disponíveis nesta seção.

Figura destacada no topo nesta página: Representação gráfica da proposição da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento, 2002, Euler Sandeville Jr.

 

Uma espiral é um movimento harmônico e imprevisível, tridimensional, que pode se expandir em todas as direções, e por isso mesmo não isento de contradições. É uma forma vaga e variada, que inspirou aquela ideia que temos da espiral como um desenvolvimento numa equação matemática e numa proporção áurea. Sua forma, entretanto, não precisa ser de uma geometria perfeita, pois essa ideia de perfeição seria uma abstração. Imaginemos uma espiral que pudesse se desdobrar em vários pontos e planos, livre da linearidade bidimensional do papel que faz parecer natural tudo ser plano. Imaginemos também que tocasse outras espirais, e a cada ponto surgissem ondas animando os mundos, como se várias pedras fossem atiradas quase simultaneamente na superfície de um lago.

Assim, o desdobramento da espiral, entre uma função matemática e um desenho aleatório, entre o expandir-se ao infinito de suas possibilidades e o convergir a um centro – no limite a um infinito interno que tende a um ponto de geração, põe em contato diversas visões de mundo. Visões de mundo que se agrupam e se dissolvem, como as imagens breves em um espelho d’água convidando o olhar ao repouso e ao movimento, à percepção de um ponto gerador que transborda. Essas imagens são segredos, que nos convidam de um modo ora suave ora intenso, aos lugares que as geraram e aos lugares para onde transbordam.

Euler Sandeville Jr, Memorial Espiral, 2003

A Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento é um projeto poético, não-disciplinar, elaborado a partir de 2002. O conhecimento e o aprendizado são entendidos como uma construção partilhada de saberes e práticas. O projeto decorre de um longo caminhar em aprendizagem, permitindo propor o conhecimento como tendo uma potencialidade poética a par de cognitiva, e perceber a vida como ação estética e afetiva, compromisso social e aprendizado existencial com o outro. Estética. Ética. Linguagem. Continuar lendo

PUBLICAÇÕES

Nesta seção estarei disponibilizando conforme Licença de Uso ↑ deste sítio algumas de minhas publicações e de integrantes do NEP mais diretamente ligadas a linha Paisagens partilhadas / Territórios Vividos. Para uma lista completa de minhas publicações, vá a  http://ensinoepesquisa.net.br/publicacoes/ ↑. As páginas abaixo abrem nesta janela, se não for indicado o contrário:

 

SANDEVILLE JÚNIOR, Euler; FERNANDES, Gabriel de Andrade; BORTOTO, Regina Célia Soares. Universidade livre e colaborativa em Perus: uma experiência didático-pedagógica de aprendizagem colaborativa. In: Arquitectura y calidad socioambiental en ciudades del Cono Sur=Arquitetura e qualidade socioambiental nas cidades do Cone Sul[S.l: s.n.]. Organização: Luis Muller e Maria Lucia Refinetti Martins. (Org.). São Paulo; Buenos Aires: FAU USP (Brasil) e FADU UNL (Argentina), 2016, v. , p. 135-147.

SANDEVILLE JR., Euler . As Estações de Metrô de São Paulo: paisagem e espaço público. In: Juliano Caldas de Vasconcelos; Tiago Balem (org). (Org.). Bloco (12): O partido arquitetônico e a cidade. 1 ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2016, v. , p. 82-99. ISBN: 978-85-7717-201-6.

SANDEVILLE JR., Euler; MANFRÉ, Eliane. Cultura e Paisagem, uma nova perspectiva no tecido urbano. São Paulo: Observatório das Metrópoles, 2014.

SANDEVILLE JUNIOR, Euler. Aprendizagem em ação: Por pedagogias participantes e criativas na paisagem e no ambiente. Por um cotidiano criativo. São Paulo: Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento, disponível em espiral.fau.usp.br, acesso junho de 2013.

SANDEVILLE JR., Euler; ANGILELI, Cecilia Maria de Morais Machado. Quando a Casa Vira Parque. In: XV ENAMPUR, 2013, Recife. Anais do XV ENAMPUR, 2013.

SANDEVILLE JUNIOR, Euler. A paisagem do município como território educativo. In PADILHA, Paulo R.; CECCON, Sheila e RAMALHO, Priscila (Orgs.). Município que Educa: fundamentos e propostas. São Paulo, ED,L, Vol. 1, nov., 2010.

SANDEVILLE JUNIOR, Euler; MACHADO, Cecilia Maria de Moraes. Paisagem e lazer: representações da metrópole (para os brasileiros de Brasilândia). OLAM (Rio Claro), Rio Claro, v. 5, p. 01-12, 2005.

 

Se verificar algum linque que não esteja funcionando apropriadamente agradeço avisar: Entre em contado conosco ↑

 

PESQUISAS

Pesquisas
Euler Sandeville Jr., fev 2018

Nesta seção você poderá ver um painel/resumo de minhas pesquisas em andamento ou concluídas, orientações realizadas e outras informações sobre pesquisa e extensão de interesse para os trabalhos do Núcleo de Estudos da Paisagem. Neste domínio poderá conhecer o material da linha PAISAGEM, CULTURA E PARTICIPAÇÃO SOCIAL: PROCESSOS COLABORATIVOS DE APRENDIZAGEM E AÇÃO. Para a linha ARTE, NATUREZA E CIDADE: HISTÓRIA DA CULTURA E DA PAISAGEM você deve ir ao site A Natureza e o Tempo (o Mundo)↑. Basicamente, são as mesmas linhas de pesquisa ao longo de toda a minha atividade profissional (desde 1982). São indicadas também o Mestrado, Doutorado e Livre Docência pela estreita relação no processo de construção dos trabalhos reunidos no NEP. Continuar lendo

Euler Sandeville Jr. Sobre o Autor (Resenha Curricular)

Euler Sandeville Jr. Sobre o Autor (Resenha Curricular)
Euler Sandeville Jr.
Professor, Arquiteto e Urbanista, Arte Educador.

meu currículo Lattes ↑

meu blog pessoal   ↑

 

MINHA FORMAÇÃO UNIVERSITÁRIA

  • LIVRE DOCENTE PELA FACULDADE DE ARQUITETURA E UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 2011: Paisagens Partilhadas,
  • DOUTORADO EM ESTRUTURAS AMBIENTAIS URBANAS pela Faculdade de Arquitetura e Universidade de São Paulo, 1999: As Sombras da Floresta. Vegetação, Paisagem e Cultura no Brasil,
  • MESTRADO EM ESTRUTURAS AMBIENTAIS URBANAS pela Faculdade de Arquitetura e Universidade de São Paulo, 1993: A Herança da Paisagem,
  • Pós-graduação em ECOLOGIA (USTJ, 1996),
  • graduação em ARQUITETURA E URBANISMO pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1981),
  • graduação em EDUCAÇÃO ARTÍSTICA pela Faculdade de Belas Artes (1984),

Continuar lendo

NEP: Apresentação

NÚCLEO DE ESTUDOS DA PAISAGEM (NEP): APRESENTAÇÃO
docente responsável: Euler Sandeville Jr.

por um conhecimento livre e sensível, por um mundo livre e em paz

aprender com a cidade, aprender na cidade

O Núcleo de Estudos da Paisagem (NEP) foi criado em 2003 pelo Professor Euler Sandeville a partir dos princípios da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento (2002) e da proposição de compreensão da paisagem não apenas como visualidade, mas construção social e partilha de experiências. Tem como objeto fundamental estudos da cidade, da natureza e da cultura. É pensado na perspectiva de um esforço colaborativo e interdisciplinar de trabalho (pesquisa, ação, reflexão, aprendizagem).

São duas as linhas de pesquisa do NEP:

1. História da Cultura e da Paisagem: Representações e Poéticas

2. Processos Colaborativos e Ações Educativas

Procuramos estudar e aprender em ação com outros parceiros os modos de produção e apropriação do espaço, através de práticas colaborativas, participantes e de gestão partilhada, bem como de estudos da história da cultura, focando nas realidades locais e relacionando-as nos sistemas ambientais e na estrutura urbana. Estabelecemos assim múltiplas camadas temporais e escalas espaciais que nos desafiam no processo de percepção e conhecimento.

O grupo de pesquisa reúne uma ampla diversidade de pesquisadores de diversas áreas de formação que atuam colaborativamente em um programa integrado de trabalho, incluindo bolsistas de pré-iniciação científica, bolsistas de iniciação científica, de mestrado, de doutorado e de pós-doutorado, além de pesquisadores populares e outros colaboradores. As pesquisas integram-se em grupos de estudos que organizamos buscando articular a compreensão local em uma compreensão de conjunto do setor urbano e de vetores e processos mais amplos que o impactam, ou mesmo em estudos temáticos de natureza histórica sobre as representações sociais e construção de saberes sobre a paisagem. As abordagens estabelecem uma articulação entre as pesquisas, disciplinas de graduação e pós-graduação e outras atividades colaborativas ou de formação. Continuar lendo

%d blogueiros gostam disto: