Destacado

“Imagino na entrada das universidades um monumento aos alunos sem nome dos ciclos básicos. Seguramente acompanhado do monumento aos professores sem nome. Estas são pessoas muito importantes, às quais não se dá importância alguma, senão quase que só numérica, no país. Esse monumento tem muita razão de ser, e é invisível, como os humanos aos quais é dedicado. É construído com ideias e afetos, com ações e experimentações. Tem uma espacialidade que se estende como uma respiração através de todos os meandros da instituição, reanimando as pessoas que estão sedentas de ar puro. Não com matéria, nem certificados, nem com registros. É criado animado por um espírito livre, como um sopro quase imperceptível, como passa imperceptível a multidão à qual se refere (dezenas de milhões!). Este monumento sem nome, deve nos lembrar uma espiral em busca da sua verdade com e diante dos outros, solidária: aprendizado.” (Euler Sandeville Jr. Paisagens Partilhadas. São Paulo: Tese de Livre  Docência, FAU USP, 2011).

Bem-vindo ao sítio do Núcleo de Estudos da Paisagem (NEP), da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento e de A Natureza e o Tempo (o Mundo) e de outras atividades de ensino e pesquisa sob responsabilidade de Euler Sandeville Jr. (FAU USP). Os trabalhos são concebidos a partir dos princípios da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento (2002), da proposição da Paisagem como Experiências Partilhadas e Socialmente Produzidas (concebida a partir de 1981) e de estudos em História da Cultura e da Paisagem (a partir de 1981).

Entre outros projetos, destaco Paisagens Partilhadas e a Universidade Livre e Colaborativa, voltados para processos coletivos e solidários de construção de conhecimentos e solução de problemas e, na área da História da Cultura e da Paisagem, destaco entre outros As Sombras da Floresta. Vegetação, Paisagem e Cultura no Brasil (1993-1999, que tem continuidade em Representações da Natureza e da Cidade no Brasil) e o projeto A Natureza e o Tempo (o Mundo) (desenvolvido a partir de 2016).

Nossas ênfases atuais estão definidas em duas linhas de pesquisa, envolvendo pesquisadores de graduação a pós-graduação e colaboradores externos :

1. História da Cultura e da Paisagem (Arte, Natureza e Cidade): Representações e Poéticas

2. Gestão e Poéticas da Natureza, Cidade e Paisagem: Processos de Aprendizagem e Construção Colaborativa de Conhecimentos

Figura 1: percurso docente para construção do NEP e suas etapas. Continuar lendo

O VOTO OU A BALA, Malcolm X, 3 de abril de 1964,Cleveland, Ohio , pouco depois do rompimento de Malcolm com a NOI (Nation of Islam)

O voto ou a bala, Malcolm X, 3 de abril de 1964,Cleveland, Ohio, pouco depois do rompimento de Malcolm com a NOI (Nation of Islam, criada em 1930).


Malcolm X’s only meeting with Martin Luther King Jr., March 26, 1964 at Senate debate on the Civil Rights Act. Disponível em https://en.wikipedia.org/wiki/Malcolm_X acesso em 21 de maio de 2018.

 

Senhor Moderador, irmão Lomax, irmãos e irmãs, amigos e inimigos: eu não posso acreditar que todo mundo aqui é um amigo e não quero deixar ninguém de fora. A questão desta noite, como eu a entendo, é: “A revolta negra e para onde vamos” ou “Qual é o próximo passo?”. Na minha modesta forma de entender, ela aponta para o voto ou para a bala. Continuar lendo

I’ve Been to the Mountaintop, MARTIN LUTHER KING JR Address delivered at the Bishop Charles Mason Temple, APRIL 3, 1968.

“I’ve Been to the Mountaintop,” MARTIN LUTHER KING JR Address delivered at the Bishop Charles Mason Temple, APRIL 3, 1968.

 

Thank you very kindly, my friends. As I listened to Ralph Abernathy and his eloquent and generous introduction and then thought about myself, I wondered who he was talking about. [Laughter] It’s always good to have your closest friend and associate to say something good about you, and Ralph Abernathy is the best friend that I have in the world. Continuar lendo

EU ESTIVE NO TOPO DA MONTANHA. Discurso proferido por Martin Luther King no templo Bispo Charles Mason, em Memphis, Tennessee, em 3 de abril de 1968. Um dia antes de ser assassinado.

EU ESTIVE NO TOPO DA MONTANHA
Discurso proferido por Martin Luther King no templo Bispo Charles Mason, em Memphis, Tennessee, em 3 de abril de 1968. Um dia antes de ser assassinado.

vídeo com trecho do discurso

 

Muito obrigado, meus amigos. Enquanto ouvia a eloqüente e generosa introdução de Ralph Abernathy e pensava em mim mesmo, fiquei imaginando de quem ele falava. É sempre bom ter o seu mais íntimo amigo e colaborador para falar algo de bom a seu respeito. E Ralph é o melhor amigo que tenho no mundo. Continuar lendo

Martin Luther King, Jr. Beyond Vietnam – A Time to Break Silence Delivered 4 April 1967, Riverside Church, New York City

Martin Luther King, Jr. Beyond Vietnam – A Time to Break Silence
Delivered 4 April 1967, Riverside Church, New York City

 

1967-Martin Luther King, Jr. Beyond Vietnam-Delivered 4 April 1967-Riverside Church, New York City Photo John C. Goodwin. Disponível em http://www.americanrhetoric.com/speeches/mlkatimetobreaksilence.htm acesso em 21 de maio de 2018.

http://www.americanrhetoric.com/speeches/mlkatimetobreaksilence.htm

Mr. Chairman, ladies and gentlemen:

I need not pause to say how very delighted I am to be here tonight, and how very delighted I am to see you expressing your concern about the issues that will be discussed tonight by turning out in such large numbers. I also want to say that I consider it a great honor to share this program with Dr. Bennett, Dr. Commager, and Rabbi Heschel, and some of the distinguished leaders and personalities of our nation. And of course it’s always good to come back to Riverside church. Over the last eight years, I have had the privilege of preaching here almost every year in that period, and it is always a rich and rewarding experience to come to this great church and this great pulpit. Continuar lendo

I Have a Dream Martin Luther King, Jr. delivered 28 August 1963, at the Lincoln Memorial, Washington D.C.

I Have a Dream
Martin Luther King, Jr.
delivered 28 August 1963, at the Lincoln Memorial, Washington D.C.

KING JR., Martin Luther. I have a dream [áudio], 1963. Disponível em https://archive.org/details/MLKDream.

KING JR., Martin Luther. I have a dream , 1963.. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=NOCJKCENFOA

I am happy to join with you today in what will go down in history as the greatest demonstration for freedom in the history of our nation.

Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand today, signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree came as a great beacon light of hope to millions of Negro slaves who had been seared in the flames of withering injustice. It came as a joyous daybreak to end the long night of their captivity. Continuar lendo

EU TENHO UM SONHO Discurso de Martin Luther King (28/08/1963)

EU TENHO UM SONHO
Discurso de Martin Luther King (28/08/1963)
Marcha sobre Washington pelo Trabalho e pela Libertade

KING JR., Martin Luther. I have a dream , 1963.. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=NOCJKCENFOA

KING JR., Martin Luther. I have a dream [áudio], 1963. Disponível em https://archive.org/details/MLKDream.

 

Estou feliz por estar hoje com vocês num evento que entrará para a história como a maior demonstração pela liberdade na história de nosso país.

Há cem anos, um grande americano, sob cuja simbólica sombra nos encontramos, assinou a Proclamação da Emancipação. Esse decreto fundamental foi como um grande raio de luz de esperança para milhões de escravos negros que tinham sido marcados a ferro nas chamas de uma vergonhosa injustiça. Veio como uma aurora feliz para pôr fim à longa noite de cativeiro.

Mas, cem anos mais tarde, devemos encarar a trágica realidade de que o negro ainda não é livre. Cem anos mais tarde, a vida do negro está ainda infelizmente dilacerada pelas algemas da segregação e pelas correntes da discriminação. Continuar lendo

PROGRAMA DOS DEZ PONTOS (Partido Pantera Negra para Autodefesa, maio de 1967)

PROGRAMA DOS DEZ PONTOS (Partido Pantera Negra para Autodefesa, maio de 1967)

O QUE QUEREMOS AGORA! EM QUE ACREDITAMOS?

Para aquelas pobres almas que não conhecem a história dos negros, as crenças e os desejos do Partido Pantera Negra para Autodefesa podem parecer absurdos. Para o povo negro, os dez pontos são absolutamente essenciais para a sua sobrevivência. Temos ouvido a frase revoltante “essas coisas levam tempo” por 400 anos. O Partido Pantera Negra sabe o que o povo negro quer e precisa. A unidade negra e a autodefesa tornarão essas demandas uma realidade.

O QUE QUEREMOS Continuar lendo